ÁREA DO ASSOCIADO Recuperar senha | Cadastre-se

Notícias




01/01/2016
TIMES EM DESTAQUE
LABORATÓRIO DE FISIOLOGIA E TOXINAS ANIMAIS – FISTOX

Programa de Ciências Naturais, Instituto de Ciências da Educação da Universidade Federal do Oeste do Pará – UFOPA.

 

Dr. Joacir Stolarz de Oliveira e equipe

 

Muito novo e pequeno, mas com grande potencial e muito promissor. Com esta definição, e agradecendo o convite da diretoria da SBTX, tenho o prazer em apresentar o nosso Laboratório de Fisiologia e Toxinas Animais, ou simplesmente FISTOX, da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA). Sem dúvida, este é um dos grupos de pesquisa em Toxinologia criados mais recentemente no país, tendo sido oficializado institucionalmente no ano de 2011, e com o grupo de pesquisa Toxinologia e Fisiologia Animal inscrito em agosto de 2012 no Diretório de Grupos de Pesquisa do CNPq (http://lattes.cnpq.br/web/dgp/home).

Mas, não poderia deixar de mencionar, que esta curta história começa lá atrás, no ano de 1995 quando, recém-formado, fui a São Paulo e passei a integrar o Laboratório de Farmacologia de Produtos Naturais Marinhos do querido professor José Carlos de Freitas do Instituto de Biociências da USP. Em grande parte, atribuo ao prof. Freitas, ou como ele mais gostava de ser chamado, Zé, o encanto, o entusiasmo e a curiosidade científica voltada à Toxinologia. Como nas palavras dele “rapaz, não devemos nos preocupar com a concorrência na ciência, pois ela fomenta o debate e as novas descobertas, mas sim com os animais, peçonhas e venenos que não estão sendo estudados; no ritmo como andam os processos e ações danosas provocados pelo homem na natureza, eles se extinguirão antes de nós os estudarmos”. Estando no segundo maior Estado brasileiro, o Pará, este é um grande desafio para nós e todos os que aqui se aventurarem. Após a passagem pelo Lab. do Zé e, posteriormente, pelos laboratórios de Imunoquímica (Dra. Denise Tambourgi) do Instituto Butantan e de Venenos e Toxinas Animais - LVTA (Drs. Maria Elena de Lima e Adriano Pimenta) da UFMG, com a consequente aquisição de conhecimentos em toxinas de animais aquáticos e terrestres, em 2010 passei a integrar o quadro docente da UFOPA, na sua sede em Santarém. Igualmente ao nosso laboratório, esta instituição também é muito nova e foi a primeira universidade federal fundada, em novembro de 2009, no coração da Amazônia longe dos grandes centros da região norte do país. A UFOPA tem uma importância fundamental para a região, visto a oferta de mais de 30 cursos de graduação e em diferentes áreas do conhecimento humano, e em particular nas ciências biológicas, além de cursos de especialização, mestrado e doutorado. Devido a sua localização estratégica, esta gera grandes oportunidades aos futuros acadêmicos do interior dos Estados do Amazonas e Pará, bem como a opção de alunos de outras regiões do país em trabalhar com os recursos naturais e questões amazônicas.

 

 

 

Do ponto de vista da pesquisa, interessante como “o mundo dá voltas”, pois fato curioso é que graças à iniciativa do prof. Freitas tive a oportunidade de realizar, em colaboração com pesquisadores da UNB e da Embrapa de Brasília, o primeiro estudo toxinológico demonstrando a presença de saxitoxina e goniautoxinas no baiacu de água doce da Amazônia, o Colomesus aselus, proveniente da cidade de Cametá que, coincidentemente, é do Estado do Pará e distante em linha reta “apenas” 577 km de Santarém, trabalho este publicado no Toxicon em 2006.

O laboratório FISTOX vem, paulatinamente, desenvolvendo estudos voltados ao conhecimento das ações biológicas e da composição de peçonhas de animais terrestres e aquáticos de interesse à saúde pública, em biotecnologia e à ciência básica. Em particular, o grupo vem dando ênfase ao isolamento e à caracterização bioquímica e biológica de toxinas de aracnídeos (escorpiões e aranhas) da região amazônica, mais especificamente na região Oeste do Estado do Pará. A mesma área física é compartilhada e possui estreita colaboração científica com o Laboratório de Química e Estrutura de Macromoléculas Biológicas, coordenado pela Dra. Deyanira Fuentes Silva, onde estudantes de Iniciação Científica, de pós-graduação e docentes praticam uma saudável e profícua interação entre as áreas de biologia, química e toxinologia. Como mencionado no início, o grupo é pequeno e atualmente contamos com 4 alunos ICs, 2 mestrandas e dois professores doutores.

Aos poucos, diferentes técnicas estão sendo implementadas visando à detecção, por meio de screening, das atividades antimicrobianas (bactérias e fungos), inseticidas em grilos e cardiotóxicas em mamíferos roedores, além da abordagem bioquímica empregando técnicas clássicas voltadas à purificação de peptídeos e proteínas. Desta forma, nosso laboratório tem contribuído para ampliar a oportunidade a alunos da região de atuarem em tão importante área para a saúde e para desenvolvimento da ciência, que é a Toxinologia. Também não poderíamos deixar de mencionar e mesmo agradecer a importante contribuição dos órgãos de fomento, em particular o CNPq e a CAPES, que tem concedido bolsas de estudo e recursos financeiros para a consolidação deste grupo de pesquisa. Neste sentido, por meio do Edital Toxinologia da CAPES, nosso Laboratório pode complementar a aquisição de materiais e equipamentos, possibilitando de fato o início das nossas atividades de pesquisa. Também graças a este edital, o Laboratório FISTOX tem interagido de forma intensa com diversas instituições da área toxinológica como os institutos Butantan e Funed e universidades como a UFMG e a Unesp-Rio Claro, o que tem nos diminuído esta sensação de distanciamento dos grandes centros do país. E, cada vez mais, estamos abertos a novas parcerias e colaborações.

Não só a pesquisa tem sido o foco de nosso laboratório. Por meio de projetos de extensão, também temos voltado nossa atenção à prevenção de acidentes com animais peçonhentos, visto a alta incidência dos casos de ofidismo, escorpionismo e outros acidentes com animais peçonhentos da região, além de ações direcionadas à conscientização e à preservação do meio ambiente na cidade de Santarém. Esta atividade, igualmente à pesquisa, tem contribuído para os Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) dos alunos de graduação do Programa de Ciências Naturais do Instituto de Ciências da Educação da UFOPA, e propiciado a oportunidade para participação em eventos científicos locais, regionais e nacionais.

 

 

 

As principais linhas de pesquisa do Laboratório de Fisiologia e Toxinas Animais, em parceria com o Laboratório de Química e Estrutura de Macromoléculas Biológicas, são:

 

·         Prospecção de peptídeos das peçonhas de escorpiões dos gêneros Tityus e Rhopalurus da região Oeste do Pará;

·         Identificação e isol amento de peptídeos com atividade inseticida sobre grilos;

·         Determinação da atividade antimicrobiana de moléculas isoladas de peçonhas de escorpiões e aranhas caranguejeiras.

 



Outras Notícias



05/04/2016

01/01/2016

02/10/2015

13/08/2015

24/06/2015

09/03/2015

02/02/2015

12/01/2015

22/10/2014

17/10/2014

17/10/2014

20/09/2010

15/09/2010

13/09/2010

03/09/2010

30/08/2010

16/08/2010

11/06/2010

24/05/2010

20/05/2010

19/04/2010

07/04/2010

13/10/2009

21/07/2009

22/06/2009

22/06/2009

28/05/2009

14/03/2009

06/03/2009

19/01/2009

13/01/2009

13/01/2009

30/10/2008

17/10/2008

23/09/2008

09/09/2008

24/08/2008

24/08/2008

00/00/0000

Patrocínio

EVENTOS

27 a 30 de Agosto
XIV Congresso de Toxinologia